No início desse ano, a Record resolveu fazer também sua aposta e lançou diariamente uma série chamada Sem Volta, que assim como Supermax era tomada de influências americanas e que também acabou não tendo o retorno esperado. O formato das “minisséries”, sem temporadas, exibidas diariamente e geralmente com panos de fundo históricos, já se consolidou. O que as emissoras de TV aberta que ainda investem em teledramaturgia tentam fazer é expandir seu alcance para conquistar o espectador que vê apenas séries no formato internacional. Colocados em perspectiva os resultados de Supermax Sem Volta, é bem provável que só tenhamos minisséries e séries com teor estritamente nacional sendo lançados nesse ano de 2017.

Rede Globo anunciou uma quantidade impressionante de novas produções, complicando a vida de qualquer outro canal que pretenda investir em ficção. Dois Irmãos, por exemplo, foi exibida em janeiro ao mesmo tempo em que Sem Volta passava na Record e praticamente esmagou a concorrente, ainda que sua linguagem fosse muito menos acessível. Logo, ainda que séries no modelo internacional não surjam por enquanto, a "Vênus Platinada" tem uma lista respeitável de lançamentos para esse ano. De alguma forma, os fracassos de Supermax Sem Volta devem colocar em perspectiva o valor de tornar a teledramaturgia brasileira mais aproximada das diretrizes internacionais contemporâneas, considerando que os produtos de maior sucesso em cada uma dessas emissoras, provém da lapidação do próprio legado. Talvez o segredo seja fazer a televisão que já sabemos fazer, só que fazê-la melhor ainda.